MAIS PÁGINAS BALEIAS!

domingo, 24 de novembro de 2013

BERLIM 2013 O RECORDE MUNDIAL DE BALEIAS NA EUROPA!!


 Amantíssimo Mundo que corre e ama a Equipe Baleias!

No dia 29 de setembro de 2013 uma parte considerável do Mundo Baleias correu a Maratona de Berlim. Corremos a prova no momento certo pois foi a última vez em que para fazer a inscrição bastava ser ágil ao computador. A partir de 2014 Berlim entra no sistema de sorteio ou agência de turismo o que dificulta e encarece muito o sonho de correr a prova.

Toda a aventura de 14 dias no exterior foi um sucesso mas a prova de Berlim marcou a estreia de Zilda, Elaine, Ezilda, Waldeci, Tadeu e meu filho Pedro na Bela Distância. Foi muito emocionante.
Porém, como eu já disse aqui nesse simpático blog, toda história tem um começo e o dessa se deu dentro de uma van indo para o aeroporto de Confins em Belo Horizonte. Mesmo José Maia e Wilma de São Paulo e Waldeci e E-Zilda de Curitiba vieram para BH para partirmos juntos.
Já no aeroporto de Lisboa toda a turma que aguardava a conexão para Berlim. Baleias e amigos Baleias, companhias que muito nos honram, sempre. Ficamos devendo as tradicionais fotos de dentro da aeronave.
O clima de namoro, lua de mel, paixão era inevitável.
A primeira cerveja em solo Europeu. Sucesso total.
As meninas Baleias celebrando a griffe londrina. Uma antecipação do que sabemos: um dia correremos a Maratona de Londres!
O encontro com Paulo Picanha e Helena, nossos bons amigos do Recife, no aeroporto de Lisboa. Eles estavam seguindo outros horários de voos.
Eu e Wu depois de tomarmos bronca porque estávamos conversando perto da área de relax. Cadeiras especiais para gente enjoada, mas nos respeitamos depois de avisados.
Esses estavam sem vaga no cantinho do sossego.
Desembarcando em Berlim. É uma grande alegria ver esse pessoal todo ostentando as cores Baleias. Até nossos amigos procuravam usar o laranja. E que fica mais fácil de achar a pessoas num grupo grande, isso fica.
Localizado o hotel, tomado um banho (uma turma não queria nem permitir o banho, queria que só deixássemos as malas, mas o bom senso prevaleceu), saímos para conhecer o bairro e jantar.
Manhã de sábado em frente ao nosso hotel. Era dia de buscar o kit. Lana e Tadeu, junto com Carlão, amigo da MF Running, foram participar da Corrida da Amizade, prova de 5 kms que tem chegada no estádio olimpico. Nós fomos buscar o kit pela manhã porque tínhamos jogo de futebol à tarde. 
Comradeiros, preparados para Berlim, com a camisa polo Baleias feita em homenagem ao Back to Back. Paulo Picanha como o precursor do sonho da Comrades entre nós e amigo Baleias dos melhores foi agraciado com uma das peças comemorativas.
As normais dificuldades de comprar pela primeira vez bilhete do metrô. Não é fácil aprender a sistemática da máquina que mais devolvia que aceitava as notas. Demorou bastante mas depois tudo ficou fácil demais.
Metrô, um dos preferidos sistemas de transporte dos Baleias. Se a cidade tem não ficamos de fora.
Felicidade total Baleias rumo à Feira de entrega do kit. Berlim tem a maior feira que já vi.
A felicidade de cada um era fácil de perceber.
Betinha, que tem Comrades e Nova York no currículo, realizando mais um sonho.
Wilma Maia em seu BMW, essa Baleia é chique demais.
Elaine na Europa. A nova e a velha senhora se deram muito bem.
O registro do casal que também se deu muito bem.
Luiz, grande amigo Baleias, fundamental em nosso grupo pois é o único que sabe cantar Boate Azul inteira.
Parte da turma já cansada de tanto andar. A feira é enorme. A exposição de produtos é muito variada.
Lá tem muitas coisas para ver, comer, comprar. Dá para ficar o dia inteiro lá dentro. Tem até um local para tirar uma foto grátis com o Portão de Brandenburgo enviada por email que nunca chegou.
Depois da exposição da maratona as meninas que optaram por não assistir ao jogo de futebol no estádio olímpico foram passear por Berlim.
Wilma é outra que a Europa lhe caiu muito bem. Feitas uma para a outra.
A criança brincando no banheiro público. São mesmo muitas as novidades.
Carlão visitou o estádio pela manhã e como teve que ir buscar o kit à tarde desistiu de ir ao o jogo.
Outra parte da turma foi ao jogo. Eu e meu filho Pedro, para meu orgulho, iríamos assistir uma partida de futebol no lendário estádio olímpico construído para os jogos de 1936. Nilson Gomes, amigo Baleias e ótimo companheiro de viagem, estava conosco.
Carlos Magno, de última hora, foi escalado para o jogo. Existem características que acompanham as pessoas onde quer que estejam.
A turma toda na entrada do estádio. Atentem para o detalhe da blusa de Helena. Esse Miguelão é feliz demais.
Luiz, de Conselheiro Lafaiete para o mundo!!!
Álvaro que já antevia o título de seu time que tem as mesmas cores do nosso anfitrião no estádio olímpico.
Hertha 3 x 1 Mainz. Foi uma festa que permitiu a exceção de um copo de cerveja na véspera da maratona.

Encerrado o jogo operou-se o retorno da concentração total para a maratona no dia seguinte. Voltamos para o hotel e cada um foi cumprir com sua liturgia pessoal do pré-maratona. O sonho cada vez mais se avizinhava.
O café da manhã do dia da prova. A estreante Elaine e o estreante Pedro com o veterano Álvaro.
Baleias se preparando, alimentando e hidratando. O café antes da prova é fundamental.
Na saída começava o show das poderosas!
O Mundo Baleias aguardando o sinal de pedestres abrir. Lições práticas de civilidade no trânsito.
Álvaro desfilando com sua poderosa capa rumo à largada.
Outra superpoderosa que esbanjou classe em sua estreia na Bela Distância e também na visita à Velha Senhora, sentindo-se em casa por toda a Europa.
Alegria e descontração minutos antes do maior desafio na carreira de alguns até aquela data. A estreia na maratona. Um ano de preparação para a prova e para a viagem.
O famoso Brademburger Tor compondo o cenário de um dos momentos mais emocionantes da Equipe Baleias. Valeu muito a pena estar na linha de largada nesse dia. Ronan da MF Running também estava conosco na largada.
As fotos não paravam. Ninguém queria ficar de fora dos registros históricos.
Baleias rumo à baia de largada. A separação entre Baleias e o apoio Baleias. Dani, que estava no apoio Baleias, deveria estar indo rumo à largada estrear na distância.
Carlos Magno, que largou para ver o que era possível tendo em vista os problemas ocorridos no decorrer do ano que impossibilitaram os treinos, achou melhor deixar o primo alemão de Belinha cuidando de Rosimeire. Para Carlos Magno a estreia ficou para outra oportunidade mas valeu o gosto de correr por 22 kms pelas ruas de Berlim.
 Wilma Maia, pilotando a máquina que mais subsídios deu para esse relato, principalmente da prova, também aguardaria seu amor.
A prova, como sempre, perfeita. Gente de todos os cantos do mundo. Muitos Comradeiros ostentando suas camisas, bem como atletas da África do Sul, todos sendo devidamente cumprimentados por mim. 

Wu acompanharia Zilda e eu acompanharia Elaine conforme combinado desde a ideia inicial do Projeto Baleias em Berlim 2013. Entre os demais cada um tinha sua estratégia e planejamento. Ezilda, talvez a maior guerreira, tinha um grande receio das dores que a vinham acompanhando nos últimos tempos, porém, sua cabeça era forte e mostrou ser mais ainda porque além do sucesso da estreia ainda correu a Meia Maratona de Bruxelas no domingo seguinte.

Algum tempo depois a Equipe Baleias começava a chegar à Under den Linden depois de atravessar o Portão de Brandenburg.
Toledo feliz da vida com sua medalha e também por correr a mais rápida maratona do mundo e proporcionar tudo isso a seu amigo Luiz.
Waldeci Domingues, Baleias Curitiba, cruzando a linha de chegada com a bandeira feita especialmente para as provas internacionais. Curitiba é sempre fashion. Waldeci estava pronto para a maratona há muito tempo, mas queria uma estreia em grande estilo. Pronto, diria Dart.
Pedro, meu filho, acadêmico de medicina na Federal de Minas Gerais, completando sua primeira maratona. Meu menino ficou muito orgulhoso do feito mas não muito bem impressionado com a distância, achou excessiva. Vamos ver o que o futuro reserva para sua carreira de corredor.
Ismael Neto, já maratonista, estreava na Europa.
Elaine brilhou e foi a primeira das meninas estreantes. Por muito pouco não foi sub 5. O cuidado da estreia e a justa prudência fizeram com que sobrasse no final. Mas o sucesso e a identificação com a Bela Distância foram imediatos. A menina já está inscrita para Roma 2014 e com passagens compradas para a Maratona de Lima. Irá optar por qual fazer no primeiro semestre. 
Zilda também brilhou. Uma carreira meteórica. Do nada aos 5 kms e dos 5kms à maratona em pouquíssimos anos. Uma companheira de deixar o Wu feliz da vida. Mereceu, e muito, essa estreia na maratona mais rápida do mundo.
Nosso amigo Paulo Picanha, fazendo história no mundo das corridas. Uma amizade que é orgulho para o Mundo Baleias. Aprendemos muito com esse cara.
Ezilda fechando com chave de ouro a história Baleias na Maratona de Berlim 2013. Uma alegria tremenda o sucesso dela na prova. O Mundo Baleias curva-se diante de sua garra!

Sérgio, do Rio de Janeiro, o Corredor Feliz, amigo que deixou o grupo Baleias no meio do ano, também conquistou o seu objetivo de completar a Maratona de Berlim e estava muito feliz conforme relatou em seu blog. Com Sebastião do Rio de Janeiro, mais uma vez, não conseguimos nos encontrar em Berlim.

Infelizmente não temos fotos de todos Baleias que correram. Álvaro foi o primeiro Baleias com 3.28.56.
Essa bela foto resume bem o que fomos fazer lá. José Maia, a medalha, o Manto Coral e o Portão de Brademburgo. Visto!
Wu, satisfação e dever cumpridos. Treinou e acompanhou Zilda por toda a maratona. Com o suporte do Wu tudo fica mais fácil.
O apoio Baleias numa celebração também muito merecida.
Orgulho e felicidade transbordando. Berlim se rendeu à magia de Elaine.
A felicidade depois de se tornar amiga da Bela Distância. E-Zilda foi sucesso total.
Casais parceiros, nada melhor para uma vida a dois repleta de emoção onde a poeira da rotina é sacudida todo dia.

Encerrada a prova, desafio Baleias cumprido com louvor pois ocorrera apenas uma baixa, voltamos para o hotel para depois ir em direção ao bar do turco perto do hotel para comemorar mais. Não encontrei fotos desse momento pós prova no restaurante do turco.
Na manhã seguinte, segunda-feira, dia 30 de setembro, era dia de peregrinar por Berlim, visitar tudo o que fosse possível. A excursão Baleias estava mais leve porque a preocupação de correr a maratona tinha ficado para trás.
Hora de visitar o famoso Muro de Berlim.
Tentar entender a história. Perceber do que os homens são capazes. Saber que os muros são muitos e que é muito fácil continuar construindo barreiras na mente, no coração, no olhar, na solidariedade, sem a necessidade de um pingo de concreto e com efeitos, talvez, mais devastadores. Porém, como nos ensinou Brecht eu também peço, "não digam nunca - isso é natural"
O casal e o muro!
Elaine dando ao Parlamento Alemão, o famoso Reichstag, a honra de conhecê-la.
Mais um casal no Reichstag. E-Zilda e Waldeci na cúpula alemã.
Grupo completo de Baleias na visita ao dome político alemão.
É lá em cima que estávamos. No domingo estivemos pelos gramados na concentração para a largada da prova.
Mais à tarde, no caminho da torre de Berlim, deparamo-nos com uma prévia da Oktoberfest na cinematográfica Alexanderplatz.
Apoderamo-nos da mesa de um simpático mexicano e fizemos o que não fizéramos até então, ou seja, tomar uma cerveja alemã de com força, feliz e despreocupadamente.
Foi só festa. Enquanto Elaine e Pedro visitavam a Torre de Berlim nós fazíamos a festa em Alexanderplatz.
No lado oriental ets e comunistas historicamente visitados.
video
Transformamos Alexanderplatz numa grande Boate Azul.
Com meu filho, que muita alegria tem me dado desde a notícia da gravidez, fazendo um brinde aos amigos de Colômbia, Bogotá, Club Olimpus, corredores liderados pelo grande Edgar Guevara. A cerveja em Bogotá também é das melhores.
Na volta para casa um registro numa placa que falava do Brasil...
...que também havia sido visitada mais cedo por demais Baleias. Até hoje ninguém ficou sabendo do que se tratava.
E a despedida dos heróis da resistência no restaurante do turco. Cervejas de trigo mais baratas que as pilsens comuns brasileiras que encontramos nos supermercados de BH. 

A jornada em Berlim chegava ao seu final. Na manhã seguinte pegaríamos um trem para Munique.

Uma parte do Mundo Baleias foi com Toledo para Paris e Roma e Lana e Tadeu foram para Praga. Na sexta-feira todos se encontrariam na Bélgica para as provas de domingo, Maratona e Meia Maratona de Bruxelas.

Orgulhosos, todos havíamos deixado nossas marcas para sempre em Berlim. Acredito também que todos topariam voltar porque a cidade é muito bacana. Para quem gosta de uma boa cerveja, então...
Já no trem para Munique. Depois de amargar uma certa confusão por não termos marcado lugar conseguimos assento no vagão restaurante.
Uma viagem muito agradável após todos conseguirem se sentar. Faltou experiência e sobrou pãoduragem à administração Baleias Tour!
Aportamos em Munique. Outra festa começaria. A Maratona de 3 dias na Oktoberfest. Mais um sonho conquistado. A estação de trem era a umas três quadras do hotel. Foi rápido instalar e seguir para a festa.

Entramos no pavilhão e já sentimos o clima. Era ali mesmo que queríamos estar.
Nosso primeiro pedido de cerveja. A moça que nos atendeu trouxe 14 canecos de um litro de cerveja de uma vez só. Ouvimos dizer que é o recorde são 19 copos.
Assim, no dia 01 de outubro de 2013, um enorme contingente Baleias exibia feliz a caneca de 1 litro de cerveja.
Criança parecendo pinto no lixo.
 A primeira cerveja na Oktoberfest é impossível de esquecer.
Carlão e Nilson noutro momento da festa.
Carlos Bento também experimentando e se divertindo sem, porém, perder o controle.
A alegria nesses três dias suscitou ideias e pensamentos inimagináveis e indecifráveis.
Essa menina aproveitou muito a festa.
No segundo dia antes de irmos para a farra passeamos com as meninas por uma parte de Munique que em 2011 eu, Wu, Carlos Magno e Meire não conhecemos.
Waldeci e o estádio Allianz Arena. Só nos sabemos como foi o passeio. Esse é o estádio do Bayer que chorará em dezembro ao perder o título do Mundial de Clubes para o Galo Mineiro. Quem viver, verá. Eu acredito!!
No segundo dia, já com Helena e Picanha conosco a festa continuava.
A alegria Baleias era incomensurável.
No último dia um grupo foi visitar Salsburg, a terra de Mozart.
E outro foi encher a cara mais cedo para se despedir.
Dias maravilhosos na Europa. Inesquecível a companhia dessa moça maravilhosa que merece um futuro melhor do que a companhia de um sujeito que sequer consegue emagrecer ou comer um sanduiche deitado.
A peregrinação pelos galpões das diversas marcas de cervejas (São 7 marcas e vários galpões de cada uma). Não é fácil beber na Oktoberfest por mais paradoxal que possa parecer. Os desconhecidos da direita eram os donos da mesa na qual nos aboletamos.
Muito bom beber em boa companhia também em outros lados do mundo.
O show das poderosas deu o ritmo na Oktoberfest. Foram três dias de muita farra. Valeu demais.
Até mais ver Oktoberfest. Missão cumprida. No próximo ano conheceremos a nossa Oktoberfest, a de Blumenau. Eu, Wu, Zilda, Waldeci, Ezilda, Carlos Magno, estamos confirmados. E vocês?

Encerrado o último dia, saindo do pavilhão da festa somente depois de tudo encerrado, completamente perdidos e tendo que pegar um taxi para achar o hotel que estava a poucas quadras, a sensação foi de que mais não poderíamos ter aproveitado.

A partir dali era aproveitar a sexta e o sábado para despressurizar e poder correr a Maratona de Bruxelas, mas isso é outra história que será contada depois.

Não dá para contar tanta farra de uma vez só. A festa foi sensacional, sem reparos, sem poréns, sem senões. Mais uma vez Berlim e Munique foram Baleias. Impossível não reconhecer que somos mesmo FPC!!!

Valeu turma, vocês são incríveis. Temos ainda muitas maratonas para correr na vida. Viena, Grécia, Amsterdan, Timor Leste, Ilhas Maurício, La Paz, Two Oceans, vamos combinar outra farra desta proporção pois é bom demais.

Abraço a todos.

Miguel Delgado